9 de mar de 2009

Contra o plan de extinción do galego

Cen entidades de diverso tipo reunímonos hai unhas horas en Santiago para intercambiar perspectivas e ideas de cara á manifestación nacional do 17 de maio.

Por se non sobrasen os motivos para nos mobilizarmos, hoxe o PP insistiu noutra liña de desmantelamento da cooficialidade do galego que formula xunto á idea de botar por terra o timidamente avanzado no ensino. O seu cabeza de lista pola provincia da Coruña propón que se tumbe a Lei de normalización lingüística, aprobada baixo un goberno do seu partido e por unanimidade no Parlamento, en cuxo artigo 10 di que os nomes de lugar galegos teñen como forma oficial a galega.

Cómpre que nos organicemos e impidamos estes retrocesos históricos. Todas aquelas e todos aqueles que poidades botar unha man nalgunha medida de cara ao 17 de maio, escribide a amesa@amesanl.org. Forza e adiante!

9 comentários:

  1. Já vos enviei uma mensagem: fico ao vosso dispor até o fundo do meu ADN :)

    ResponderExcluir
  2. Estimado Carlos,

    Ainda que em numerosas ocasiões temos parado pola rua a falar do divino e do humano, que recorde tu e mais eu apenas combinamos para tomar um café e falar numha ocasiom (comento isto aqui porque isto é segundo parece umha "bitácora persoal" e porque tu o comentaches publicamente na reuniom de ontem na Galeria Sargadelos). Ainda esta manhã foi que me lembrei do assunto que um bom dia nos reunira arredor dumha "mesa" e uns cafés na cafetaria "Cestaños", na compostelana Porta Faxeira:

    http://web.archive.org/web/20060212113312/www.va-ca.org/serendipity/index.php?/archives/254-De-puta-matrix,-Quin.html

    http://web.archive.org/web/20060627212157/www.va-ca.org/serendipity/index.php?/archives/327-De-puta-matrix,-Callon!.html

    Enfim, coloquemos umha pedra sobre o assunto...

    ResponderExcluir
  3. Ainda que aquele assunto (de puta matrix, junto com a usurpaçom do nome das Galescolas, http://agal-gz.org/blogues/index.php/vogal/2007/01/13/a_oficina_espanola_de_patentes_y_marcas_) foi para mim e para muitas pessoas mui revelador dumha certa forma de agir, aquilo nom foi nada em comparaçom com isto!

    O BNG já nom está no governo e, oxalá me equivoque, vai passar muito tempo até que volte a estar.

    A situaçom da nossa língua é desesperada e cumpre menos afã de protagonismo e mais bondade e generosidade ("os bons e generosos a nossa voz entendem..."). Nom se trata de irmos juntos a umhas eleições, caralho! Trata-se apenas de co-convocarmos umha manifestaçom unitária! É tam dificil?!?

    Isto nom é um duelo entre Gloria Lago e Carlos Callón, isto é a guerra e algo devemos estar a fazer mal quando as guerras sempre as perdemos os mesmos!

    Como em certa ocasiom dixo o ex-presidente Dom Manuel (a quem tu também citaches ontem): "juntos imos a mais e separados imos ao caralho!"

    A UNIOM FAI A FORÇA!!!
    GALEGO, SEMPRE MAIS!!!

    Cordialmente,

    ResponderExcluir
  4. Pois eu, personalmente, coido que A Mesa ten a entidade suficiente para convocar manifestacións por si soa, sen ter que acudir da man de xente que despois vai ir tirarlle pedras aos de Galicia Bilingüe para facerlles o xogo á súa campaña provocadora e vitimista.

    Prefiro ir a unha manifestación de 15000 persoas ás que non se lle podan pór tachas a unha con 16.000 persoas que saia en todos os xornais polos graves incidentes provocados por uns marxinais.

    ResponderExcluir
  5. A quem atiraram pedras AGAL, MDL, A Gentalha do Pichel, etc, Anônimo???

    Já agora, "obra é de vilão, atirar a pedra e esconder a mão" ;-P

    ResponderExcluir
  6. Prezado Suso: Concordo contigo con que non é momento de divisións nin de desenterrar vellos prexuízos nin ataques inxustos. É verdade que fai falta menos afán de protagonismo e máis bondade e xenerosidade. As ideas e proxectos que combatemos están noutro lado e cara aí van e deben ir os nosos esforzos.

    Quero amosar tamén a miña disconformidade coa xeneralización do "Anônimo", aínda que estou de acordo coas súas conclusións, pois na mobilización do 17 debe repudiarse calquera acto de violencia. Hai grupos como A Gentalha do Pichel (cos que se pode estar en desacordo, igual que se pode estar en desacordo coa Mesa ou co que for), mais que padeceron demonizacións e difamacións que tamén debemos rexeitar con contundencia. Cantar e disfarzarse para ridiculizar a quen quere que a nosa lingua desapareza non é ningún delito.

    Invistamos tempo e esforzos no que temos que investilos, que temos un traballo titánico por diante e, aínda que poidamos exhibir pequenas e normais diferenzas, é moito máis o que nos une.

    ResponderExcluir
  7. Suso, polo que vexo o duelo non é entre Gloria Lago e Carlos Callón, senón entre o círculo de amigos reintegratas e A Mesa, que queren para si un protagonismo social que nestes momentos ten A Mesa (e non pola vaidade do señor Callón, senón polo que representa a asociación socialmente).

    Non lle vexo sentido a entradas como a túa, as de Isabel Rei, ou Galeguzo, que non fomentan precisamente a unidade aínda que CINICAMENTE a acaben reclamando. Mais penso que Callón xa lle responde no seu primeiro parágrafo dun xeito ben máis elegante do que eu son capaz.

    Desculpa Carlos por entrar no teu blog a soltar máis bile. Non me molestarei se eliminas o comentario.

    Saúdos,
    Antón.

    ResponderExcluir
  8. Obrigado pola tua resposta, prezado Carlos. Concordo contigo em que o inimigo está "noutro lado" (cumpre lembrar sempre, nom esquecer nunca os ensinamentos d'A Vida de Brian), concordo contigo em discordar do "Anônimo" nas suas injustíssimas generalizações e concordo contigo em que, apesar das nossas (pequenas ou grandes mas naturais em qualquer caso) diferenças "é muito mais o que nos une".

    Quando dis que "na mobilización do 17 debe repudiarse calquera acto de violencia" quero interpretar que o que queres dizer é que nela nom deve produzir-se nengum tipo de acçom violente (e com isso sempre estivem e estarei sempre absolutamente de acordo) porque, que eu saiba, a tal mobilizaçom nom se convoca para "repudiar" nada que nom seja a anunciada política galegofóbica de Alberto Núñez Feijóo.

    Mas há entre nós (este "nós" envolve mais pessoas do que "tu e mais eu", ok? ;-) um desacordo infelizmente insalvável e fundamental.

    Algumhas pessoas pensamos que a grande movilizaçom do vindouro 17 de Maio deve ser convocada polo movimento normalizador no seu conjunto, por umha plataforma cívica tipo "Nunca Mais" ou "Galiza Nom Se Vende" mas restrita ao âmbito lingüístico. Outras pessoas pensades (com todo o direito, olha!) que "A Mesa pola Normalización Lingüística" já é essa plataforma cívica, essa organizaçom de massas.

    Infelimente essas duas posturas semelham irreconciliáveis. Só um milagre (e nengum de nós acredita nessas cousas) poderia impedir que no vindouro 17 de Maio ofereçamos aos nossos comuns "inimigos" o lamentável espetáculo da desuniom.

    Nom sei de quem será a culpa mas o que sim sei é que nom será das e dos que pensamos que umha "mesa" nom foi feita para servir de "guarda-chuva" ;)

    Quanto ao Anônimo-Antón, visto que ele nom se molestaria se eliminasses o seu comentário, nem me molestarei em comentar-lho. Tranquilo, "Billy"! ;)

    ResponderExcluir
  9. Celso Alvarez Cáccamo11 de mar de 2009 17:22:00

    Caro Carlos (e tod@s),

    Sigo o teu blogue estes dias porque a tua voz me parece importante, como representante da MNL. Eu, pola minha parte, não represento ninguém. Faço parte de associações, mas não tenho qualquer cargo representativo nelas.

    Concordo contigo, com Suso e com outr@s na necessidade da unidade. Concordo com o absurdo da hipótese da "violência" numa manifestação EM FAVOR do galego. Claro que toda manife é sempre CONTRA algo (neste caso, as políticas linguísticas), mas o tom geral da gente e da energia que se percebe é EM FAVOR, e ATIVA. Mas não concordo com a prevenção (quero entendê-la assim) de que as diferenças sejam tão "insalváveis" ou "irreconciliáveis" que anulem a unidade de AÇÃO.

    A Mesa pola Normalización Lingüística é fundamental em termos de visibilidade, número de afiliad@s, poder de convocatória e interlocução política. A mim isto parece-me inquestionável. Mas sabemos que isto não é suficiente, e muito menos a dia de hoje. Se existe a possibilidade da fragmentação na mobilização social COLETIVA, a MNL tem uma responsabilidade (e, se continuamos o enquadramento anterior, também fundamental) em fazer tudo o possível por evitá-la.

    Um lema ideológico e propagandístico único, assumível por tod@s, amplo de sentido, pode ajudar a concentrar muita gente, pode reunir muitas vontades sem que os projetos particulares comprometam nada. Por debaixo deste lema, colhem variados sub-lemas e focagens, compatíveis. Cada coletivo pode convocar à sua maneira, sob as mesmas palavras unitárias. Há palavras que não "pertencem" a ninguém, mas ao país, aos milhares ou milhões de pessoas que as berram e sentem. Não importa como surgiram: dizem-se e sentem-se, e pronto. São os "outros" os que querem sempre que essas palavras "pertençam" só a alguns, para fragmentar-nos. Eu não sei de plataformas (essa seria outra questão), mas de REDES policêntricas de ação, anoadas em cada núcleo por essas poucas palavras.

    Apesar da importância da Mesa (PRECISAMENTE pola sua importância), nem hoje nem ontem, qualquer manifestação maciça em favor da língua é da Mesa, mas da língua. Hoje mais que nunca, é preciso um grito unánime, não "político", mas SOCIAL.

    Eu, pessoalmente, sinto-me bem pronunciando GALÉGO SÉMPRE MÁIS!, e imaginando milhares de pessoas a gritá-lo, tod@s com tod@s. Quanto mais o pronuncio e o imagino, desde a Alameda até ao Obradoiro, melhor me sinto. E vai fazer sol em Compostela.

    Saúde!,
    -celso

    ResponderExcluir